To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

pág-produto_ Banner.jpg
PAC.png
ELLURA®

ellura® é um medicamento profilático¹ como alternativa eficaz não antibiótica para doentes com infeções recorrentes do trato urinário (ITUr’s) /cistites não complicadas.

Mecanismo de ação

mecanismoação.jpg
embalagem3D.png
Extrato do sumo de arando vermelho
 (Vaccinium macrocarpon Aiton)

CNP: 5810239
pac1.png

As PAC* (presentes nas cápsulas de ellura®) impedem a adesão de certas estirpes de UPEC** ao urotélio, prevenindo o início da infeção².

seta.png

As propriedades dos arandos vermelhos na prevenção da adesão bacteriana ao urotélio estão correlacionadas positivamente com o conteúdo de PAC* solúveis¹.

pac2.png
Posologia e modo de administração
ic_mulher.png

Mulheres adultas com mais de 18 anos, incluindo idosas.

ic_calendario.png

1 cápsula por dia.

ic_capsula.png

ellura® deve ser utilizado por mulheres que sofram de ITU recorrentes. Deve ser tomada 1 cápsula por dia durante pelo menos 15 dias consecutivos após o término do tratamento com antibiótico relativo à ITU.

ic_quatro.png

O tratamento deve ser repetido pelo menos 4 vezes ao ano para prevenir o aparecimento de ITU recorrentes, mesmo quando tiver iniciado o tratamento com antibióticos.¹ 

ic_medico.png

A frequência do tratamento com ellura®  deve ser ajustada de acordo com o número de ITU anteriores ou o conselho do profissional de saúde.¹

ic_regular.png

A toma regular de ellura® deve ser mantida para garantir a eficácia do tratamento.

ic_oral.png

As cápsulas devem ser tomadas por via oral.

cistite.png

Na ocorrência de uma cistite, não é necessário interromper a toma de ellura®.

* Proantocianidinas   **Escherichia coli Uropatogénica 

1. Resumo das características do medicamento ellura®. 2. Gupta, K et al. “Cranberry products inhibit adherence of p-fimbriated Escherichia coli to primary cultured bladder and vaginal epithelial cells.” The Journal of Urology vol. 177,6 (2007): 2357-60.

 

ellura®, cápsulas, 195-216 mg de extrato (na forma de extrato seco e refinado) do sumo do fruto de Vaccinium macrocarpon Aiton (arando vermelho), correspondente a 36 mg de proantocianidinas (PAC), é um medicamento tradicional à base de plantas e não sujeito a receita médica. Indicações terapêuticas: Medicamento utilizado na prevenção da recorrência de infeções agudas não complicadas do trato urinário inferior (cistites). Posologia e modo de administração: Mulheres adultas com mais de 18 anos, incluindo idosas: uma cápsula, uma vez por dia. Advertências e precauções especiais de utilização: Não se deve ultrapassar a dose diária recomendada. Deve ser procurado aconselhamento médico se algum dos seguintes sintomas se desenvolver: febre, rigidez muscular, dor abdominal, dor nas costas, hematúria, retenção urinária ou incontinência urinária. Deve ser procurado aconselhamento médico, ou retomado o tratamento habitual, em caso de reaparecimento dos sintomas de cistite. A utilização em crianças e adolescentes com menos de 18 anos de idade não é recomendada, uma vez que não há dados suficientes e a sua utilização nesses grupos etários apenas deve ser feita com aconselhamento médico. Interações: Foram reportados alguns casos individuais de interação do sumo de arando vermelho com a varfarina (antagonista da vitamina K). Não é possível excluir a possibilidade de interação com outros anticoagulantes antagonistas da vitamina K (como o acenocumarol), ou mesmo com outros anticoagulantes que não sejam antagonistas da vitamina K, incluindo anticoagulantes parentéricos (como a heparina, a dalteparina, a enoxaparina ou a tinzaparina), e anticoagulantes orais não-vitamina K (como o apixabano, o edoxabano, o dabigatrano e o rivaroxabano). Consequentemente, o uso concomitante de anticoagulantes com ellura, ou outros produtos contendo sumo de arando vermelho, está contraindicado. Não há evidências de que a possível interação do sumo de arando vermelho com a amoxicilina ou o cefaclor produza efeitos clinicamente significativos sobre a farmacocinética desses antibióticos. Num estudo recente, a administração conjunta de tacrolimus e sumo de arando vermelho resultou em uma redução significativa dos níveis de tacrolimus, assim sugere-se que os doentes que tomem medicamentos imunossupressores evitem produtos contendo arando vermelho. Não existem estudos em humanos ou in vitro que demonstrem uma interação entre medicamentos quimioterápicos e o arando vermelho. No entanto, um estudo in vitro descreveu a inibição do CYP2C8, uma enzima amplamente reconhecida como fazendo parte de uma via de metabolização de fármacos, entre os quais o paclitaxel. Os doentes que estejam a fazer quimioterapia são aconselhados a não utilizarem produtos contendo arando vermelho. Leia cuidadosamente as informações constantes na embalagem e no folheto informativo e, em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, consulte o médico ou o farmacêutico. Titular da AIM: Laboratoire Pharmaceutique Pharmatoka S.A.S - 20-22 avenue de la République - 92500 Rueil Malmaison – França. Representante local do Titular da AIM: FERRAZ, LYNCE, ESPECIALIDADES FARMACÊUTICAS, S.A. Rua Consiglieri Pedroso, 123 – Queluz de Baixo 2731-901 BARCARENA. Data da revisão do texto: 06/2021.

FI_val.png
ELLURA